Oscar: Todas candidatas a Melhor Atriz têm papéis dolorosos; veja lista

As cinco candidatas ao prêmio de Melhor Atriz no Oscar 2018, que será entregue em 4 de março, têm em comum que seus personagens –todos, sem exceção– sofrem com sentimentos de dor, perda e/ou violência pura.

De uma forma ou de outra, as cinco mulheres-alfa do cinema do ano passado carregam papéis imersos em problemas pessoais e, muitas vezes, arbitrários. Chame de destino ou do que quiser, mas elas sofrem na vida .

Abaixo uma “miniavaliação” de cada papel. São as candidatas:

Saoirse Ronan (Lady Bird)

Atriz Saoirse Ronan, a “Lady Bird”

Lady Bird é sobre um período bem específico da vida da gente: a adolescência. A garota Christine tem uma relação 220 volts com a mãe, a atriz Laurie Metcalf –que por acaso você conhece como a mãe do dr. Sheldon Cooper de “The Big Bang Theory”, e que merecidamente concorre ao Oscar de Atriz Coadjuvante. É a segunda indicação da linda e talentosa irlandesa Saoirse a Melhor Atriz. Sua personagem é ao mesmo tempo doce, maluquinha, determinada, inteligente, sensível e tem o gênio do cão dos infernos (como a mãe, aliás). Lady Bird também disputa como Melhor Filme. Fazendo futurologia, acho que não leva nenhum prêmio.

Filme: Lady Bird

Avaliação do site Ooops: Muito Bom 🌟🌟🌟

Frances McDormand (Três Anúncios para Um Crime)

A atriz Frances McDormand, que interpreta a sofrida sulista Mildred, em “Três Anúncios Para Um Crime”

De longe a personagem mais sofrida de todas em cartaz. Eu não estou fazendo spoiler porque está no trailer nos cinemas: o marido de Mildred Reys a trocou por uma garota décadas mais jovem, e ela ainda  perdeu a filha adolescente de forma  bárbara numa estrada da cidadezícula racista do sul dos EUA, onde mora. Parte dos policiais é alcoólatra, violenta e ou vagabunda, e Mildred vai atrás de vingança a seu próprio modo. É um papel pesadíssimo, e que qualquer ser humano se identifica e sofre junto. Muita gente acha que será a vencedora do Oscar (pela 2ª vez, já que ganhou um por Fargo, 20 anos atrás). Eu não apostaria nisso. 

Filme: “Três Anúncios Para Um Crime”

Avaliação do site Ooops!: Ótimo 🌟🌟🌟🌟

Margot Robbie (Eu, Tonya)

A atriz australiana Margot Robbie, em uma das cenas finais de “Eu, Tonya”

Pessoalmente acho a mais complexa das personagens, a mais difícil de interpretar, pois a patinadora Tonya Harding ainda está viva, não é obra de ficção. Uma garota que foi tratada como lixo pela família, pela sociedade; que foi linchada esportiva e moralmente e, no fim das contas, também foi vítima de uma mídia leviana. É um filme em primeira pessoa, com aqueles personagens falando para a câmera e coisa e tal, mas, muitas vezes, a gente se pergunta: onde raios está a verdade? É muito impressionante que Margot Robbie não só tenha vestido a pele de Tonya como filha e esposa agredida, mas também como patinadora: a atriz realmente está ali em carne e osso nas lâminas sobre o gelo, em boa parte das cenas, e isso é muito especial no cinema. Pelo menos para mim. Considero isso uma “oitava” acima em termos de atuação. Daí minha aberta torcida para Margot Robbie ao Oscar de Melhor Atriz 2018.

Filme: Eu, Tonya

Avaliação do site Ooops: Fabuloso 🌟🌟🌟🌟🌟🌟

Sally Hawkins (A Forma da Água)

A atriz Sally Hawkins, em pré-intercurso com criatura amazônica de “A Forma da Água”

Para ser sincero, até assistir “Eu, Tonya”, estava torcendo por Sally Hawkins e seu também complexo papel em “A Forma Da Água”. Sally interpreta Eliza, uma faxineira muda que nos anos 60 trabalha numa instalação secreta e ligada ao mesmo tempo à CIA e ao Exército. Uma espécie de Área 51 de aberrações (inclusive os funcionários). Eles capturam uma estranha criatura aparentemente anfíbia num rio da Amazônia. Ora o filme parece “O Monstro da Lagoa Negra”, ora lembra “A Bela e a Fera”. Eliza tem uma peculiaridade de nascença que a atrairá para a criatura, e isso vai transpor todas as formas de amor que o cinema já tratou: a intra espécies. Pessoalmente achei a história tão adorável que apostaria nela para o Oscar de Melhor Filme. É ao mesmo tempo arte e entretenimento. Completo, portanto, do ponto de vista da Academia.

Filme: “A Forma da Água”

Avaliação do site Ooops: Fabuloso 🌟🌟🌟🌟🌟🌟

Meryl Streep (The Post: A Guerra Secreta)

A atriz Meryl Streep no papel de Kay Graham, dona do “Washington Post”

Eis a sra. 17 indicações ao Oscar de Melhor Atriz (sem falar em Coadjuvante). Em “The Post: A Guerra Secreta” ela tem a tarefa de interpretar Kay Graham a grande dama do jornalismo mundial. Trata-se de Katharine Meyer Graham, que morreu em 2001. Kay (como era chamada por amigos) nunca quis ou sonhou em ser dona do “Washington Post”, mas assim quis o destino: foi literalmente  abandonada no mundo por um marido depressivo e suicida. Além disso sofreu –e muito– com o machismo dominante no jornalismo, especialmente na tomada de decisões; pior: em dois momentos cruciais da história norte-americana. Sinto pela sinceridade e pelos muitos fãs da atriz, mas se tem uma personagem que merece de verdade um Oscar (póstumo) é Katharine Graham, e não Meryl Streep.

Filme: “The Post: A Guerra Secreta”

Avaliação do site Ooops: Bom 🌟🌟

Veja outras críticas de cinema no simpático e cinéfilo site Ooops!

Veja o trailer dos cinco filmes acima citados

Veja a biografia de Ricardo Feltrin

Mais sobre Ricardo Feltrin no Google

Ricardo Feltrin no UOL

Sobre:

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *